segunda-feira, 20 de abril de 2015

Aprenda História Medieval Jogando Vídeo-jogos.

Age of Empires II: The Age of Kings, editado por Microsoft Game Studios, 2002, em plataforma Windows; jogo de estratégia. Este jogo enquadra-se, em termos de cronologia, em plena Idade Média e coloca em destaque dezenas de povos e civilizações. Entre os quais se contam os bretões, bizantinos, chineses, francos, godos, japoneses, mongóis, persas, muçulmanos, teutões, turcos e viquingues. Cada civilização tem atributos únicos, forças e fraquezas, edifícios e tecnologias, assim como unidades de combate. É necessário experimentá-las todas para encontrar a que melhor se adapta ao estilo de cada jogador.

Age of empires 2: the conquerors expansioneditado por Microsoft Game Studios, 2000, em plataforma Windows; jogo de aventura. Possibilidade de jogar a partir de cinco povos e civilizações em processo expansionista, como a Castela do Cid, nos confrontos com os muçulmanos, ou os nômadas das estepes asiáticas protagonizados por Átila, o Huno. Uma série de utensílios e tecnologias estão à disposição de cada uma, repartidas de modo a que nenhuma civilização ou unidade tenha uma vantagem esmagadora. Cada uma tem atributos únicos, edifícios e tecnologias, assim como unidades de combate e respectivos adversários.
Crusader: Adventure Out of Time, editado por France Télécom Multimédia, 1997, em plataforma Macintosh e Windows; jogo de aventura e educativo. Os Francos começam a ser conduzidos para fora de Jerusalém. Neste contexto, o jogador segue as aventuras de Artaud, um desgraçado nobre francês que fora enviado para se redimir dos seus pecados, viajando para a Terra Santa para escoltar a verdadeira cruz em segurança. Realiza-se através de uma série de momentos, como uma narrativa. O jogador deverá completar uma série de curtas tarefas para que Artaud possa avançar para o nível seguinte. De forma geral, estas tarefas são de natureza educativa, como por exemplo aprender como eram feitos os cercos a castelos ou saber quais eram as principais potências na Terra Santa, naquela época. Se a missão de Artaud é ficionada, o cenário é bastante real, quer nos locais visitados quer na historicidade dos personagens. Ao longo do percurso a informação histórica é fornecida através de acontecimentos e estilos de vida deste período. Há uma enciclopédia intercalada com as cenas, a qual é necessária ao jogador, de modo a completar as tarefas e a entender inteiramente a narrativa.

Crusader Kings editado por PAN Vision, 2004; jogo de estratégia. O jogador pode escolher ser governador de uma multiplicidade de reinos, ducados ou condados. Aumenta o seu prestígio e riqueza lutando para o papa, para o seu suserano, para o rei ou somente em proveito pessoal. Possibilidades de expansão conseguem-se através de casamentos para o próprio, para os membros da sua corte e para os seus vassalos, de modo a assegurar a sobrevivência da sua linhagem. Este jogo oferece, assim, a oportunidade para construir a história da Europa, num tempo em que reis, rainhas, títulos nobiliárquicos e prestígio eram decisivos.

Crusader kings: Deus vult, editado por Paradoxe Interactive AB, 2007, em plataforma Windows; jogo de estratégia. Este jogo constitui um desenvolvimento do anterior Crusader Kings, com as seguintes alterações: – os personagens podem fazer amigos e rivais ao longo das suas vidas; – podem enviar os filhos para serem criados noutras cortes, promovendo as relações entre ambas; – no jogo original, a lealdade era um assunto entre vassalo e suserano; em Deus Vult, contudo, também os cortesões devem lealdade ao seu soberano; – no processo de negociação da paz é agora possível forçar a vassalidade do inimigo ou fazer um pacto de aliança com o vencedor.
Europa Universalis: Crown of the North, editado por Strategy First, Inc., 2003, em plataforma Windows; jogo educativo, de simulação e estratégia. Enquadra-se no período compreendido entre 1275 e 1340, podendo jogar-se como Noruega, Suécia ou Dinamarca e conspirar para alterar o legado histórico de uma região pouco explorada noutros jogos. A lógica central do jogo consiste em modernizar as infraestruturas das cidades, manter a população satisfeita e lançar a guerra contra os vizinhos para expandir o território.
Knights of honor, editado por Paradox Interactive, 2005, em plataforma Windows XP; jogo de estratégia. Conquistas e construção de impérios na época medieval, em que o jogador assume o trono de um reino à escolha, durante um de três períodos. Pode tornar-se o governante de toda a Europa através da diplomacia, de subterfúgios e da guerra, esmagando os inimigos e levando o seu povo à vitória.
Medieval 2: total war, editado por Activision Inc., 2006, em plataforma PC e Windows; jogo de estratégia. O jogador assume o comando de um grande exército de dez mil homens nos campos de batalha, enquanto governante de alguns dos maiores reinos medievais do mundo ocidental e oriental. Ao longo dos anos de 1080 a 1530, um turbulento período na história europeia, a procura do poder conduz o jogador através da Europa, África e Médio Oriente, destacando em especial a liderança no campo de batalha. Com um mapa de campanha o jogador controla tudo, desde a construção e desenvolvimento de cidades ao recrutamento e treino dos exércitos. Pode utilizar-se a diplomacia para manipular aliados e inimigos, controlar a Inquisição e influenciar o papa. O jogador pode, ainda, conduzir os combates nas cruzadas e dar a vitória ao Islão ou à Cristandade.

Medieval lords, editado por O3 Entertainment, 2006, em plataforma Windows XP; jogo de estratégia. O jogador pode construir e manter reinos prósperos, defender as suas terras contra os invasores, conquistar novos territórios e controlar os destinos da civilização medieval.
Paris 1313: le disparu de Notre-Dame, editado por Canal + Multimédia, index +, Réunion des Musées Nationaux, 1999, em plataforma Macintosh e Windows; jogo de aventura e educativo. Paris 1313 é um jogo de aventura sobre o mistério em torno de uma morte na catedral de Notre-Dame em Paris. Á medida que avança, o jogador assume três diferentes personagens, envolvidas no mistério de diferentes maneiras. Jacques, um jovem ourives, Pierre, um jovem cavaleiro que quer juntar-se ao exército do rei, e Rosemonde, uma bailarina. Trata-se de uma aventura em que o jogador pede informações e pistas, encontrando dados que utiliza para resolver problemas. O jogo evolui através de uma série de capítulos. Para progredir, o jogador tem de resolver uma determinada tarefa com cada um dos três personagens.

Portugal 1111: a conquista de Soure, editado por Ciberbit, Produções de Software S.A., 2003. Este jogo transporta-nos para o século XII onde, armados de destreza e raciocínio estratégico, temos que vencer os vários desafios que nos surgem pelo caminho. Recria a conquista do território aos muçulmanos através de uma simulação da luta pela sobrevivência de uma comunidade medieval, neste caso Soure, enquadrada num território disputado entre as duas civilizações. Na criação deste jogo foi mantido um elevado nível de veracidade histórica, pese embora as liberdades próprias de um objecto lúdico. Os edifícios, as personagens, as armas são baseados em conhecimentos históricos rigorosos. A interligação entre os aspectos econômicos, espirituais e militares de uma comunidade medieval são respeitados, nos seus traços essenciais, incutindo no jogador uma melhor compreensão sobre a realidade do passado. O jogador controla inicialmente um pequeno grupo de colonos que atravessa a fronteira do Mondego para se instalar em território desocupado, sujeito a investidas frequentes dos muçulmanos, na zona que hoje corresponde ao concelho de Soure. Para criar uma comunidade viável terá que gerir os recursos econômicos, criando quintas e feiras, celeiros e moinhos, e terá ainda que se ocupar da defesa, construindo muralhas, torres de vigia e um castelo para proteção das populações. A religiosidade da época também está presente: igrejas, capelas e mosteiros ajudam a manter elevado o moral da população e a conservar e transmitir o saber. O plano militar é muito desenvolvido, devendo o jogador gerir uma vasta gama de unidades e armas durante os combates.

Robin Hood: defender of the Crown, editado por Capcom USA, Inc., 2003; jogo de aventura. Os jogadores assumem o personagem de Robin dos Bosques no seu projeto para devolver a paz a Inglaterra. O diabólico Príncipe João usurpou o trono. Robin Hood constrói o seu percurso através do reino num amplo conjunto de ações, combates e estratégias para devolver o trono ao seu legítimo possuidor.
Stronghold 2, editado por 2K Games, 2005, em plataforma Windows; jogo de estratégia. Os jogadores podem construir e desenvolver vários tipos de castelos e sistemas de defesa, enquanto observam o quotidiano dos seus camponeses. Podem observar todos os aspectos da vida medieval, de festivais e justas a embriagados a servirem a refeição aos seus senhores.
Stronghold: crusader extreme, editado por Gamecock Media Group, 2008, em plataforma Windows; jogo de estratégia. Este jogo apresenta a viagem para terras distantes como forma de reconhecimento para bravos guerreiros e do seu medonho armamento. Combina os melhores aspectos da construção de cidades e um jogo de estratégia em tempo real. O jogador pode conduzir um determinado grupo de cruzados, moldados por séculos de conflitos bárbaros, ou lançar a guerra contra invasores externos poderosos. Dentro de muralhas impenetráveis bate o coração de uma florescente sociedade plena de frecheiros, cervejeiros e armeiros, enquanto no exterior caminham inimigos assassinos, poderosos engenhos de guerra e a constante ameaça do fogo. Como nobres europeus ou guerreiros muçulmanos, o jogador pode conquistar implacáveis territórios, defender fortalezas no deserto e montar cerco a medonhos inimigos durante as cruzadas dos séculos XII e XIII.

The Hundred Years War, editado por Koei Corporation, 2007, em plataforma Xbox360; jogo de estratégia. Este jogo centra-se na intensidade e no drama da Guerra dos Cem Anos, que envolveu toda a Europa, apresentando uma rica tapeçaria de personagens heroicas, como Joana D'Arc e o Príncipe Negro.
The settlers: rise of an empire, editado por UBI Soft, 2007, em plataforma Windows; jogo de aventura. Este jogo apresenta como desafio a construção de cidades dinâmicas e agitadas em plena época medieval, onde tudo se torna mais visível, animado e realista. Cada povoador tem a sua rotina quotidiana, com uma lista de diferentes ações e comportamentos que podem ser observados e manipulados pelo jogador. Isto permite-lhe obter o melhor dos seus povoadores, implementar uma economia próspera, acorrer às suas necessidades e proteger o seu império dos perigos do exterior. Alargando o seu império, o jogador pode tornar-se um rei ou rainha lendários.

Vikings, editado por France Télécom Multimédia, 1998; jogo de aventura e educativo sobre o povo Viking, durante o século XI. O jogador assume o papel de Hjalmar, filho de Ingmar. O jogo começa na Finlândia, onde o jogador tem de apoiar o amigo de Ingmar, Leif Harraldson, a contratar o xamã Eldgrim. Este conta a Hjalmar que o domínio do seu pai, Dynhólmar, na Islândia, foi destruído e ele morto. Hjalmar viaja para a Islândia para se certificar do sucedido e recuperar a relíquia de família, o machado Hildirid. Seguindo o trilho do machado, Hjalmar viaja para a Gronelândia e finalmente alcança Vinland (hoje América do Norte). À medida que se aproxima do fim da sua aventura, na qual até os deuses se envolvem, descobre os segredos de seu pai. O jogo inclui uma base de dados sobre a cultura viquingue, com descrição das personagens e de cada um dos elementos do jogo, além de informações sobre a cultura e lendas dos viquingues. A base de dados é essencial para resolver muitas das questões que o jogo coloca.



Postar um comentário

HISTÓRIA DE PACOTI - CEARÁ

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...