quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

POEMA EM HOMENAGEM AO MACIÇO DE BATURITÉ/CEARÁ

  POEMA COMUNHÃO DA SERRA, De José Quintino da Cunha (1875-1943)







                                      Ontem, à noite, eu vi a minha Serra,

                                        Como uma virgem, trêmula, contrita,                                                              Recebendo  Deus, daqui da terra,
Uma hóstia do Céu, hóstia bendita.


                                        Como foi, para vê-la assim? De neves
                                       Era o véu transparente, que a cobria,
Vendo-se aqui e ali negros tons leves,
Do negro que do verde aparecia.


                                                     Tons negros, talvez restos, que os comparo,
                                      De alguma nuvem torva, esfacelada.
Por Deus, que só queria o Céu bem claro,
Porque ia dar a hóstia consagrada!


                                     O cafeeiral, que rebentava em flores,
                            A grinalda na fronte lhe botava;
E o frio, rebento dos temores,
No seu íntimo, o frio rebentava!


                             Assim a Natureza era o sacrário,
                                             De onde Deus dava a comunhão radiosa
À Serra! E era o Céu o grande hostiário
E era a lua, a hóstia luminosa.


                                        E digam que eu não vi a minha Serra,
                                        Como uma virgem, de grinalda e véu,
Recebendo de Deus daqui da terra,
A hóstia luminosa lá do Céu!
                                                                                                                              





extraído do blog:  logradourobellaepoque.blogspot.com/ por Artur Ricardo - Historiador.




Postar um comentário

HISTÓRIA DE PACOTI - CEARÁ

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...